Trabalhos em Desenvolvimento

01 - Implantação do Pólo e do Parque Tecnológico de Barretos

02 - Incubadora Tecnológica de Barretos

03 - Goniofotômetro Inteligente para Laboratório de Fotometria

04 - Agropolo da Região de Barretos

05 - Laboratório de Controle e Certificação  da  Qualidade  de   Alimentos

06 - Agricultura e Meio Ambiente

07 - Estação de Coleta de Dados de Solo e de Ar para Tomada de  Decisões

08 - Plataforma de Coleta de Dados Meteorológicos em Barretos

09 - Automação de Tanques de Piscicultura

10 - Rede de Estações Meteorológicas

11 - Automação do controle eletrônico do Manejo de rebanhos

12 - Monitoramento da Qualidade da Água da Bacia Hidrográfica do  BaixoPardo/Grande

 

Implantação do Pólo e do Parque Tecnológico de Barretos

Projeto que visa aglutinar as iniciativas da Região (30 Municípios), que desenvolvem e utilizam intensivamente o conhecimento científico e tecnológico. A finalidade é a de somar os esforços e transferir os resultados do desenvolvimento alcançado para o setor produtivo. Assim, gasta-se menos, otimiza-se o suporte tecnológico e coloca-se as empresas em condições de competição no mercado nacional e internacional. Para fazer isso, uma das Instituições locais (IBT - Instituto Barretos de Tecnologia), assumiu a gestão do processo, por indicação das demais. Como resultado prático conseguiu-se aprovar uma lei Municipal que destinou uma área de 511 mil metros quadrados para a implantação do Parque Tecnológico de Barretos que por razões de sua vocação terá prioridade para instalação de empresas que atuem no agronegócio com biotecnologia animal e vegetal, instrumentação agropecuária e agroindustrial, agricultura de precisão e nanotecnologia. O foco do Parque Tecnológico será no setor de Agronegócio, predominando a cadeia produtiva da Pecuária, inclusive com a promoção de uma Feira de negócios da Pecuária e com um Congresso Internacional também focado na Pecuária.  Financiadores: Secretaria da Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico - Cooperação / Prefeitura Municipal de Barretos - Cooperação / Instituto Barretos de Tecnologia - Auxílio financeiro.

voltar ao menu ou continue os itens abaixo


 Incubadora Tecnológica de Barretos 

Programa para Incubar Empresas que desenvolvem ou utilizem intensivamente a Base Tecnológica disponível na Instituição Gestora (IBT - Instituto Barretos de Tecnologia) e/ou nas Instituições Parceiras como Universidades Estaduais, Federais, Escolas Técnicas do Centro Paula Souza, Senac e Senai. As empresas selecionadas passam por um treinamento sobre o mercado, gestão, administração e finanças, segundo orientações do Sebrae/SP. Elas permanecem 2 a 3 anos sob a orientação da instituição gestora, desocupando o seu espaço, posteriormente, para outros interessados. A incubadora possui 10 vagas e oferece: recepção, sala de treinamento, auditório, biblioteca, Showroom, Laboratórios de Físico-Química, Microbiologia, Eletrônica e de Informática. A incubadora oferece Orientação gerencial as Empresas Residentes em Gestão, Contabilidade, Direito e Informática e assessora-as na elaboração do Plano de Negócios. Atualmente a Incubadora atua também em 23 Municípios da Região oferecendo a Incubação Virtual, abrindo a possibilidade de inclusão de empreendedores de municípios que na possuem incubadoras. O programa passou a ser regional e em rede com outras 3 incubadoras, sendo 2 da economia tradicional e 1 de agronegócio. Financiadores: CNPq - Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico / Secretaria da Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo / Sebrae - Serviço de Apoio Às Micro e Pequenas Empresas do Estado de São Paulo e Nacional / Instituto Barretos de Tecnologia / Prefeitura Municipal de Barretos - Cooperação.

voltar ao menu ou continue os itens abaixo


Goniofotômetro Inteligente para Laboratório de Fotometria 

P&D de equipamento dedicado a efetuar a medição da distribuição espacial da luz de uma fonte luminosa, automaticamente (Goniofotômetro). Essa fonte luminosa pode ser uma Lâmpada, Luminária ou Projetor, ambos equipados com as suas respectivas lâmpadas e acessórios. Uma das finalidades é a obtenção de dados para o traçamento de curvas características clássicas de iluminação: Curvas de Distribuição Luminosa, Curvas de Isocandelas e Curvas Isolux. A outra finalidade é suprir um banco de dados de conjuntos luminosos ensaiados no Goniofotômetro para que softwares de cálculos de iluminação de áreas esportivas, galpões industriais, edifícios comerciais, praças públicas, pátios, ruas e avenidas, possam ser utilizados com dados confiáveis, e permitindo a realização de projetos luminotécnicos rápidos e precisos..
Patrocinador: IBT – Instituto Barretos de Tecnologia
.

voltar ao menu ou continue os itens abaixo


  Agropolo da Região de Barretos 

Objetivo Geral do Projeto é controlar a Qualidade dos alimentos de origem animal e vegetal ao longo das cadeias produtivas priorizadas para a região, inclusive a ambiental (rastreabilidade), atendendo a demanda do setor produtivo, com a emissão de Certificados de Qualidade de Alimentos, in natura ou processado industrialmente, conforme padrões e normas internacionais, para que os produtores possam abastecer tanto o mercado interno como o externo. Em sua primeira fase contou com o apoio das seguintes instituições: Ministérios da Agricultura e da Ciência e Tecnologia, das Secretarias da Agricultura e da Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, do SEBRAE-SP, do CNPq, MCT, Fundepag, USP, UNICAMP, UNESP, UFU, UFSCar, UnB, ParqTec - São Carlos e Embrapa / CNPDIA - São Carlos, University of California at Davis - USA, Drexel University, Philadelphia - PA - USA, University of Reading - UK, ACTIA - França.

voltar ao menu ou continue os itens abaixo


 Laboratório de Controle e Certificação  da  Qualidade  de   Alimentos 

Projeto que visa o Controle e Certificação da Qualidade Ambiental e de Alimentos in natura ou processados para atender as exigências internacionais para exportação de alimentos. O projeto envolve um Centro de Tecnologia de Alimentos que oferece além das análises ambientais como Água, Solo, Ar, dejetos industriais e de esgoto, e de alimentos de origem animal como: Bovinos, Ovinos, Caprinos, Suínos e Peixes, e de origem vegetal como: Fruticultura e Olericultura diversificadas, grãos e pastos. O Centro também foi projetado para orientar os produtores na elaboração de planos de negócios, estudo de viabilidade técnica e econômica, estudo de modelo de gestão envolvendo Marketing, Comercialização, Logística e Canais de Distribuição. O Projeto tem forte compromisso com a Agricultura de precisão e com a Biotecnologia. Atende micro, pequenos, médios e grandes produtores rurais e agroindústrias e procura envolve-los comercialmente, estimulando a produção em escala com padronização de qualidade conforme demanda do mercado interno e externo.  Financiadores: Secretaria da Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo / Instituto Barretos de Tecnologia / Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento.

voltar ao menu ou continue os itens abaixo



AGRICULTURA E MEIO AMBIENTE  
NOVAS PERSPECTIVAS COMERCIAIS  E DE QUALIDADE DE VIDA  

 

INTRODUÇÃO  

Em termos gerais, para um desenvolvimento sustentável, que sugere não só uma qualidade de vida, assim como a permanência humana no Planeta, “as relações entre ambiente e desenvolvimento devem ser integralmente planejadas, levando em conta os limites dos recursos naturais”.  

Com essa temática, alguns agricultores têm conseguido fugir das dificuldades enfrentadas pelo processo da globalização de competitividade, através da busca da produção de especialidades, ou seja, em busca de uma produção agrícola diferenciada, menos agressiva ao meio ambiente e que possibilite a obtenção do sucesso.  

Essa atividade agrícola tem como resultante um produto obtido através de um cultivo ecológico, cujo mercado, conforme a Revista Agroanalysis, representa hoje no Mundo cerca de US$ 5 bilhões e que progressivamente até o ano 2.005 crescerá 20 vezes atingindo a cifra de US$ 100 bilhões.  

O Instituto Barretos de Tecnologia (IBT), dentro do seu Núcleo Ambiental, prioriza as exigências de preservação ambiental, traduzindo as vantagens aos produtores rurais, com medidas que colaborem, de forma interligada, com as questões sociais, econômicas e ambientais locais e regionais, através do programa “Agricultura e Meio Ambiente: Novas Perspectivas Comerciais e de Qualidade de Vida no Campo das Políticas Públicas”.  

O IBT, no seu Projeto Agropolo, mantém dados agrícolas regionais, viabilizando assim uma elaboração técnica do diagnóstico das possíveis tendências para o futuro da agropecuária regional, visando o fomento da alternativa econômica dentro da produção agrícola diferenciada.  

O mercado de alimentos na União Européia movimenta cerca de US$ 40 bilhões anuais, e destes, 7% ou seja, US$ 2,8 bilhões, refere-se a produtos diferenciados e que possuem atributos especiais e qualidade superior. Os governos europeus têm demonstrado interesse em estimular esse tipo de produção, como acontece na Grã-Bretanha, por exemplo, que tem como meta converter 20% de sua área agrícola para a produção diferenciada. Nos EUA, 50% dos consumidores dão preferência a produtos menos agressivos ao meio ambiente.  

No Brasil, é crescente essa fatia, como pode ser vista através de pesquisas feita pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), onde 77% dos consumidores entrevistados de Florianópolis estão dispostos em adquirir produtos orgânicos, apesar de custarem 20 a 30% a mais do que os convencionais. Segundo a revista Agroanalisys de Janeiros/99, o mercado brasileiro de produtos orgânicos está avaliado entre US$ 3 milhões e US$ 5 milhões anuais.  

Para tanto, surgem as certificações ambientais e as rotulagens ecológicas. Certamente são exigidos dos produtores, normas e procedimentos com critérios de produção claramente estabelecidos, certificando que o produto possui determinadas qualidades ambientais que o diferenciam de seus similares em função do menor impacto ambiental causado pelo seu processo de produção. São critérios rígidos, que partem desde a elaboração de um zoneamento agroecológico da propriedade, da sua cadeia produtiva até a sua comercialização.

Portanto, o programa visa levar subsídios para uma seleção de atividades promissoras do ponto de vista econômico, social e principalmente ambiental.  

Como frutos dessa ação, se destacam:  

  • A produção de alimentos saudáveis e seguros para quem produz e para quem consome

  • A recuperação, conservação e a preservação dos recursos naturais.  
     

OBJETIVO 
 

O presente programa objetiva, através das informações e vivências oferecidas, levar aos participantes, uma visão de abordagem econômica, interligando a agricultura e o meio ambiente para as novas perspectivas de mercado interno e externo, quanto à Produção Agroecológica, à Certificação Ambiental e às Commodities Ambientais.  

Ações conjuntas para o objetivo:  

  • Dar subsídios para uma avaliação dos danos ao patrimônio ecológico da propriedade.

  • Sinalizar critérios ambientais adotados e relacionados com a qualidade da produção agrícola localmente e regionalmente, gerando conhecimentos e práticas da agricultura ecológica.

  • Propor alternativas econômicas visando o desenvolvimento social da região voltado para práticas agroecológicas com a geração harmoniosa de emprego, renda e fixação do homem ao campo ambientalmente equilibrado.  

  • Propor técnicas para a organização social e política ligada à produção agroecológica.

  • Pesquisar, analisar e diagnosticar as possíveis tendências futuras dentro das atividades agroeconômicas da região através dos levantamentos de dados agrícolas, questionários, discussões e debates com os grupos participantes. Os questionários serão elaborados de modo a proporcionar uma pesquisa de mercado envolvendo o público consumidor, comerciantes e produtores rurais.  

  • Gerar o conhecimento da opinião pública sobre alimentos ambientalmente certificados, para criar subsídios necessários para estratégias de marketing, baseadas no perfil do consumidor e do produtor. Dessa forma, será possível estabelecer quando necessário for, ações para mudanças no comportamento dentro do elo consumidor, comerciante e produtor.   

PÚBLICO ALVO  
 

O programa terá como público alvo: produtores rurais, agroindustriais, industriais, comerciantes, administradores, membros de sindicatos, profissionais ligados à agropecuária, estudantes, ONGs, agentes do poder público, órgãos de extensão, sociedade civil etc.  


ABORDAGEM
 
 

Os temas abordados,  contemplam as questões ambientais interligadas ao desenvolvimento agropecuário: 

  • O Meio Ambiente na propriedade e na região

  • Agricultura tradicional e novas perspectivas

  • Certificação ambiental – selo verde  

  • Agronegócio e as “commodities ambientais”  

  • Organização social  

PESQUISAS

  • Levantamento do número de propriedades rurais na região  

  • Predominância atual do uso do solo agrícola  

  • Inventário da situação ambiental nas propriedades dos produtores participantes  

  • Inventário do nível de interesse em relação a produção agroecológica na região por proprietários rurais  

  • Pesquisa de opinião de consumidores sobre alimentos ambientalmente certificados  

  • Pesquisa de opinião dos comerciantes  

JUSTIFICATIVA  

Nortear produtores e empreendedores rurais para um desenvolvimento sustentável, dentro das perspectivas comerciais e de qualidade de vida, propondo manejos de forma a que se preserve o meio ambiente e a capacidade da terra em produzir alimentos saudáveis, conduzindo-os dessa forma a uma fatia de mercado de produtos diferenciados, buscando uma organização social e política para os agronegócios de commodities ambientais.    

 

RESULTADOS ESPERADOS  

  • Conhecer o meio ambiente na propriedade e na região

  • Valoração do patrimônio ecológico

  • Estabelecer uma relação de parceria entre o ecossistema natural e o ecossistema agrícola

  • Produzir de forma ecologicamente equilibrada, buscando sua valoração na certificação ambiental

  • Geração de emprego e renda

  • Organização social e política para a produção agrícola e o meio ambiente

  • Obtenção do diagnóstico de interesse de consumo por produtos ambientalmente certificados que dará subsídios para a implantação  de  agronegócios  para os mercados interno e externo

  • Oportunidade para novos mercados

  • Contribuir com a saúde e o bem estar da população envolvida

  • Contribuir com as futuras gerações

    voltar ao menu ou continue os itens abaixo

     


ESTAÇÃO DE COLETA DE DADOS DE SOLO E AR PARA TOMADA DE DECISÕES

AUTOMAÇÃO DA AQUISIÇÃO DE DADOS DE SOLO E AR PARA SISTEMAS DE CULTIVO

INTENSIVO E SEMI-INTENSIVO.  

 

INTRODUÇÃO
 

A atividade agrícola característica da vocação da região de abrangência do Programa AGROPOLO Barretos e da maior parte do território nacional brasileiro, sofre pressão para transformar-se e assumir características de modernidade tecnológica de processos e controle, mormente no que tange ao controle das condições do solo e das ações preventivas e corretivas dos tratos culturais nos cultivares. Os recursos atuais de eletrônica em aquisição, supervisão e tratamento de dados, de ferramentas de construção de software de gerenciamentos e supervisão de processos, permitem projetar um sistema adaptado a essas necessidades, que vise supervisionar e gerenciar as condições em tempo real da umidade e temperatura do solo, umidade e temperatura do ar, velocidade e sentido dos ventos locais e, índice pluviométrico acumulado e relativo.
 

OBJETIVO
 

A estação de coleta de dados se propõe ao empreendimento agrícola, coletar dados que permitam ao sistema supervisório de automação, proporcionar providências corretivas ou preventivas que visem aumentar a produtividade do cultivar, ou ao empresário, tomar decisões que acelerem ou retardem a maturação de seu cultivar conforme as condições atuais e das necessidades do mercado, o acesso aos dados coletados permitem as ações preventivas e corretivas no manejo da terra e cultivares implantados na região de abrangência do Programa AGROPOLO Barretos. Os dados acumulados irão formar um histórico local


METAS

  • Criar uma Estação de Coleta de Dados de Solo e Ar para orientação de ações de manejo de solo, formas de manejo nos cultivares e correções.

  • Implantar as Estações nos cultivares na área de abrangência do Programa AGROPOLO Barretos.

  • Disponibilizar informações aos agricultores sobre tecnologias de ponta.

  • Atualizar informações das condições locais do solo e do ar em tempo real.

  • Levar os benefícios da automação ao campo.

CARACTERIZAÇÃO DA PROPOSTA E JUSTIFICATIVAS
 

Na visão de difusão e consolidação de informações, o projeto integra:

  • Gerenciamento de informações;

  • Manipulações em bases de tecnologia de ponta dos dados adquiridos;

  • Automação da base tecnológica da plataforma de aquisição, transferência e armazenamento de dados;

  • Disponibilização dos dados para gerenciamento de ações preventivas e corretivas;

  • Aumento de produtividade nos cultivares;

  • Integração da Estação de Coleta de Dados de Solo e Ar aos sistemas defensivos e de irrigação controlada;

  • Drástica redução dos desperdícios;

  • Preparação do sistema para ser integrado a outros projetos análogos a serem implantados em áreas afins ou limítrofes e

  • Redução de Custo da solução de automação das ações preventivas e corretivas visando a democratização da tecnologia

Toda e qualquer empresa que atue na área de abrangência do Programa AGROPOLO Barretos será beneficiada pelo projeto, pois os acompanhamentos do controle de ações preventivos e corretivos no campo agrícolas, passam a ser confiáveis e efetivos, podendo ser associado ao custo e manejo de insumos.

Nas microrregiões do país a base tecnológica das ações preventivas e corretivas nos cultivares é muito restrita, imperando ainda o manejo difuso e tradicional, caracterizando assim a necessidade do aporte de tecnologia proporcionado pelo projeto.

A possibilidade da generalização do uso da tecnologia abortada pelo projeto é grande, pois a área esta aberta à implantação desta solução.

Uma vez que o gerenciamento das informações referentes ao manejo e controle das ações preventivas e corretivas se tornem efetivas, os resultados econômicos ao fim de cada ciclo serão  potencializados.

 

voltar ao menu ou continue os itens abaixo


PLATAFORMA DE COLETA DE DADOS  METEOROLÓGICOS EM BARRETOS
APRESENTAÇÃO GRÁFICA NA MÍDIA E INTERNET DOS DADOS METEOROLÓGICOS
COLHIDOS PELA PCD  
 

INTRODUÇÃO

Através de convênio com o IBT, o MCT proporcionou a instalação de uma PCD (Plataforma de Coleta de Dados), que coleta dados meteorológicos de solo e os retransmite ao CMCD do INPE que os disponibiliza na Internet sob forma de uma tabela que abrange 5 (cinco) dias. Os dados são coletados de 20 em 20 minutos e transmitidos de três em três horas a partir de 3:00Hs GMT, estes dados devidamente tratados podem ser apresentados sob forma de gráficos para a população em geral e aos agricultores em particular através dos meios de comunicação e da Internet no Site do IBT.

OBJETIVO

Tratar os dados obtidos pela PCD e apresenta-los à população regional através dos meios de comunicação e da Internet  

METAS

  • Através de uma estação de trabalho de informática, tratar os dados oriundos da PCD de Barretos.

  • Transformar os dados em gráficos de interpretação.

  • Apresentar esses dados nos meios de comunicação e da Internet.

  • Atualizar essa apresentação semanalmente.  

CARACTERIZAÇÃO DA PROPOSTA E JUSTIFICATIVAS.  

Na visão de difusão e consolidação de informações, o projeto integra:

  •  Aquisição de dados;

  •  Manipulações dos dados adquiridos;

  •  Apresentação dos dados em forma de gráficos e

  •  Disponibilização dos dados em forma de gráficos

Toda e qualquer empresa que atue na área de abrangência do Programa AGROPOLO Barretos será beneficiada pelo projeto, pois terá disponível, semanalmente, os dados meteorológicos de solo da região sob forma de gráficos. 


GRÁFICOS TÍPICOS A SEREM GERADOS E APRESENTADOS  
 



 

 


 

voltar ao menu ou continue os itens abaixo



 AUTOMAÇÃO DE TANQUE DE PISCICULTURA

AUTOMAÇÃO DO CONTROLE ELETRÔNICO DO MANEJO DE TANQUES
DE CRIAÇÃO DE PEIXES
 

INTRODUÇÃO  

A atividade de criação de peixes em cativeiro em tanques de engorda está tomando vulto em nosso país por se revelar altamente lucrativa. Alguns parâmetros da água nos tanques estão se revelando de grande importância para o sucesso do empreendimento. Manter estes parâmetros sob controle é altamente desejável para incrementar o aumento de peso, diminuir o “stress” que resulta em melhoria do produto final, acelerar o crescimento, etc.  


Estes parâmetros estão associados à temperatura da água, oxigênio dissolvido na água, pH e condutividade; essas grandezas podem ser mantidas sob controle por meio de um sistema de automação que tem ação de correção dos desvios desses parâmetros, uma vez fixada a faixa de variação aceitável, dentro da qual a atividade se torna mais rentosa. 


Este controle pressupõe que já estejam em uso equipamentos que possam corrigir os desvios e sejam usados manualmente, equipamentos para corrigir estes desvios, que são comercializados usualmente por empresas do ramo. O sistema permite uma enorme economia de insumos, tempo e energia ao racionalizar as ações corretivas e dispará-las apenas em caso de necessidade, preventivamente, e não corretivamente, caso em que o desperdício se faz presente; ressaltando que uma vez estabilizados e sob controle estes parâmetros, garantem uma qualidade maior do produto e uma produtividade muito mais elevada. Outra vantagem do uso da automação é o controle dos custos operacionais, hoje um dos fatores principais que determinam o sucesso de um empreendimento, e com a integração desse sistema a qualquer outro que possa acumular o histórico da evolução da criação, o aperfeiçoamento dos resultados podem ser implementados a cada ciclo completado e aumentar a lucratividade com o aumento da eficiência. 


A atividade pesqueira em criadouros está em franco crescimento e sofre pressão para transformar-se e assumir características de modernidade tecnológica de processos e controle. Os recursos atuais de eletrônica em supervisão, de ferramentas de construção de software de gerenciamentos e supervisão de processos, permitem projetar um sistema adaptado às condições da área , que  vise supervisionar e gerenciar o manejo dos animais a serem criados ou recriados em tanques apropriados.
 

OBJETIVO  

O sistema se propõe diminuir o excessivo manejo , gerenciar preventivamente a sanidade dos animais, portanto se propõe  incorporar tecnologia de ponta que permita o acompanhamento remoto de evolução  de processos e estudo de tendências com os dados armazenados, garantindo também a rastreabilidade dos processos, ações e todo o conjunto de informações que acompanham o animal até a entrada no processamento e posterior se necessário.  

METAS

  • Adaptar a tecnologia de controle de processos ao manejo de tanques de criação de peixes.

  • Disponibilizar informações do manejo dos animais para gerenciamento.

  • Associar tanques, passagens, transferência e saída com lotes e eventos particularizados.

CARACTERIZAÇÃO DA PROPOSTA E JUSTIFICATIVAS.

Na visão de adaptação da tecnologia, o projeto integra:

  • Gerenciamento de informações;

  • Manipulações de informações adquiridas em tempo real;

  • Aquisição e transferência de dados e

  • Automação da base tecnológica da plataforma de aquisição de dados.

Toda e qualquer empresa que atue no ramo de criação de peixes, será beneficia pelo projeto, pois o acompanhamento do controle de ações preventivas e corretivas no campo da sanidade animal, passam a ser muito confiáveis, e o controle de rendimentos passa a ser efetivo, podendo ser associado ao custo e manejo de insumos.


Na criação de peixes em cativeiro, instalada no país, a base tecnológica é muito restrita, imperando ainda o manejo tradicional, caracterizando-se assim a necessidade do aporte de tecnologia proporcionado pelo projeto.


A possibilidade da generalização do uso da tecnologia abordada pelo projeto é grande, pois a área está aberta à implantação desta solução e modernizará a criação de peixes, que se estende a todo território nacional.


Na medida que o gerenciamento das informações referentes ao manejo se tornarem efetivos, os resultados econômicos ao fim de cada ciclo, serão potencializados, visto que o projeto visa aumentar de maneira significativa a produtividade do setor.

 

voltar ao menu ou continue os itens abaixo


 

REDE DE ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS
AUTOMAÇÃO DA AQUISIÇÃO DE DADOS
METEOROLÓGICOS, TRATAMENTO, DIVULGAÇÃO E COMPARTILHAMENTO DAS PREVISÕES.  

INTRODUÇÃO

A atividade agropecuária característica da região de abrangência do Programa AGROPOLO Barretos, sofre pressão  para transformar-se e assumir características de modernidade tecnológica de processos e controle, mormente no que tange à antecipação de ações preventivas contra os danos ocasionados pelas intempéries. Os recursos atuais de eletrônica em aquisição, supervisão e tratamento de dados, de ferramentas de construção de software de gerenciamentos  e supervisão de processos, permitem projetar um sistema adaptado às condições da área, que  vise supervisionar e gerenciar as condições em tempo real e as projeções de ações futuras a curto e médio prazo.

OBJETIVO

A rede se propõe democratizar o acesso a dados meteorológicos locais de curto e médio prazo, para orientar as ações preventivas e corretivas no manejo da terra e cultivares implantados na região de abrangência do Programa AGROPOLO Barretos. Os dados acumulados formarão um histórico local como uma análise aprofundada dos dados obtidos e divulgados a nível nacional. As informações assim obtidas, uma vez tratadas e colocadas em formato usual, são disponibilizadas aos usuários pelos meios de comunicação, tanto na mídia eletrônica, como impressa, permitindo assim a tomada de decisões antecipadas pelos agricultores. Toda a operacionalização de consolidação dos dados e informações será efetuada em concordância e colaboração com entidades conveniadas a nível municipal, estadual e federal.

METAS  

  • Criar um centro meteorológico local restrito a área de abrangência do Programa AGROPOLO Barretos;

  • Implantar uma rede de PCD (Plataforma de Coleta de Dados), na área de abrangência do Programa AGROPOLO Barretos;

  • Disponibilizar informações meteorológicas locais aos agricultores;

  • Atualizar informações meteorológicas locais, diariamente e divulga-las pelos meios de comunicação como radio, televisão, Internet, jornais e revistas.  

  • Disponibilizar informações meteorológicas locais especializadas e aprofundadas a entidades específicas sob contrato.

CARACTERIZAÇÃO DA PROPOSTA E JUSTIFICATIVAS.  

Na visão de difusão e consolidação de informações, o projeto integra:

  • Gerenciamento de informações;

  • Manipulações em bases de tecnologia de ponta dos dados adquiridos;

  • Automação da base tecnológica da plataforma de aquisição, transferência    e  rmazenamento de dados;

  • Disponibilização dos dados tratados na mídia eletrônica e escrita;

  • Informações regionais aprofundadas e localizadas;

  • Enlace regional das PCD;

  • Integração de sistemas de previsão meteorológica localizada;

  • Pulverização da distribuição de PCD em 12 locais estrategicamente localizados para uniformizar a cobertura da área e

  • Preparação do sistema para ser integrado a outros projetos análogos a serem implantados em áreas afins ou limítrofes.  

Toda e qualquer empresa que atue na área de abrangência do Programa AGROPOLO Barretos será beneficia pelo projeto, pois os acompanhamentos dos controles de ações preventivas e corretivas na área agrícola, passam a ser confiáveis, e o controle das ações passa a ser efetivo, podendo ser associado ao custo e manejo de insumos.

Nas microrregiões no país, a base tecnológica das previsões é muito restrita, imperando ainda o manejo difuso e tradicional, caracterizando assim a necessidade do aporte de tecnologia proporcionado pelo projeto.

A possibilidade da generalização do uso da tecnologia abortada pelo projeto é grande, pois a área esta aberta à implantação desta solução.

Na medida que o gerenciamento das informações referentes ao manejo e controle das ações preventivas e corretivas se tornarem efetivas, os resultados econômicos, ao fim de cada ciclo, serão potencializados.

voltar ao menu ou continue os itens abaixo



AUTOMAÇÃO DO CONTROLE ELETRÔNICO DO MANEJO DE REBANHOS  
 

 

 INTRODUÇÃO

A atividade agropecuária sofre pressão para transformar-se e assumir características de modernidade tecnológica de processos e controle. Os recursos atuais de eletrônica em supervisão, de ferramentas de construção de software de gerenciamentos e supervisão de processos, permitem projetar um sistema adaptado às condições da área, que vise supervisionar e gerenciar o manejo dos animais a serem criados ou recriados e engordados na pecuária de corte ou manejo dos animais confinados ou não na pecuária de leite.


Na forma atual os manejos excessivos dos animais nos piquetes, os tornam sujeitos ao stress e perda de controle de peso, nutrição e ações sanitárias.

OBJETIVO

O sistema se propõe a diminuir o excessivo manejo, gerenciar preventivamente a sanidade dos animais na nutrição e acompanhar seu ganho de peso, no caso da pecuária de corte, e sua produtividade no caso do leite  portanto se propõe  incorporar tecnologia de ponta, desenvolvida  para controle de presença onde redobre o acompanhamento remoto de evolução  de processos e estudos de tendências com os dados armazenados, garantindo também a rastreabilidade dos processos, ações, matrizes e todo o conjunto de informações que acompanham o animal até a entrada no processamento e posterior, se necessário .


O projeto visa levar às atividades relacionadas com a agropecuária, os benefícios da automação e gerenciamento dos dados presentes ao manejo da terra, das plantas e dos animais, o projeto se caracteriza pelo envolvimento em atividades relacionadas com a agricultura.

METAS

Adaptar a tecnologia do transponder ao manejo dos animais.

  • Disponibilizar informações do manejo dos animais para gerenciamento.

  • Atualizar informações sobre o manejo individual de cada animal no lugar e no momento da alteração, no caso da pecuária e coletivo no caso dos peixes.

  • Identificar individualmente cada animal com endereço lógico, no caso de pecuária e como cultivar, no caso da agricultura e cada tanque, nos casos dos peixes.

  • Associar recintos, passagens, transferência e saída com indivíduos e eventos particularizados.

 

CARACTERIZAÇÃO DA PROPOSTA E JUSTIFICATIVAS.
 

Na visão de adaptação da tecnologia, o projeto integra:

  • Gerenciamento de informações;

  • Manipulações de informações adquiridas em tempo real;

  • Aquisição e transferência de dados e

  • Automação da base tecnológica da plataforma de aquisição de dados.

Toda e qualquer empresa que atue no ramo da pecuária de corte e leite, de piscicultura e cultivos, será beneficia pelo projeto, pois o acompanhamento do controle de ações preventivas e corretivas no campo da sanidade animal e agrícola, passam a ser muito confiáveis, e o controle de rendimentos passa a ser efetivo, podendo ser  associado ao custo e manejo de insumos.

Na pecuária de corte e leite instalada no país, bem como na piscicultura, a base tecnologia é muito restrita, imperando ainda o manejo tradicional, caracterizando-se assim a necessidade do aporte de tecnologia proporcionada pelo projeto.


A possibilidade da generalização do uso da tecnologia abortada pelo projeto é grande, pois a área esta aberta à implantação desta solução, onde a base da pecuária se estende a todo território nacional e a da piscicultura está em franco crescimento.


Na medida que o gerenciamento das informações referentes ao manejo e controle na pecuária e piscicultura se tornarem efetivos, os resultados econômicos ao fim de cada ciclo, serão potencializados, visto que o projeto visa aumentar de maneira significativa a produtividade do setor.

 

A execução do projeto se dará através da integração de componentes e dispositivos existentes no mercado, desenvolvidos em parceria com empresas de base tecnológica, adequados ao sistema proposto, desenvolvimento do programa supervisor e integração de base de dados ao programa de gerenciamento.


Com a concretização do projeto, se espera levar às atividades do campo, principal vocação nacional, pela extensão territorial, recursos hídricos e qualidade da terra, os recursos da tecnologia de ponta, para um crescimento quantitativo, qualitativo e das condições racionarias de grande parcela da população rural, que esclarecida e requalificada se fixará à terra com todos os recursos de moderna tecnologia, invertendo assim o fluxo do êxodo populacional, podendo seus benefícios  ser estendidos a toda a terra limítrofe do territorial nacional.

 

voltar ao menu ou continue os itens abaixo



MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO BAIXO PARDO/GRANDE

BH-BPG
 

Público alvo  

Prefeituras, Agroindústrias e Produtores Rurais localizados na Bacia Hidrográfica Baixo Pardo / Grande, que serão beneficiados, com informações e procedimentos, para que a qualidade da água seja garantida.  


Local da ação
 
 

Nos 13 municípios da área de abrangência do CBH-BPG, onde estações remotas estrategicamente instaladas realizarão coletas de dados através de sensores adequados. Serão realizadas, também, visitas técnicas de avaliação, coleta de amostras para análise de fontes poluidoras. Informações que estarão disponibilizadas pela Internet para toda a comunidade.   

Objetivo

 
 

Dotar o Comitê de informações sobre os parâmetros de Qualidade da Água para avaliação dos investimentos feitos pelo Comitê, nos Municípios da BH-BPG, quanto aos projetos de Saneamento Básico, assim como definir políticas para aperfeiçoar o sistema e justificar novos investimentos.  


Justificativa

 

Sabe-se que os rios são poluídos por descarga de esgoto, dejetos industriais, resíduos de agrotóxicos e outros produtos comprometedores. O CBH-BPG tem feito esforço e investimentos para que as Prefeituras, as Agroindústrias e os Produtores Rurais se sensibilizem e possam, através de investimentos compartilhados, minimizar a poluição dos rios. Entretanto não se tem utilizado métodos e sistemas de monitoramento para se avaliar o custo / benefício do esforço feito. Assim, o Projeto em questão, se propõe a realizar esse  monitoramento  através  de Bases Coletoras Remotas  e através de visitas nas Estações de Tratamento de Esgoto das Prefeituras e das  Agroindústrias, assim como, realizar investigações de outras fontes poluidoras proveniente da produção agropecuária, através de análises Físico-Químicas e Microbiológicas, com acompanhamento jurídico para se obter autorizações de visitas, notificações, interpretação e aplicação da legislação Ambiental. A elaboração de relatórios de controle e de prestação de contas, suprirá o Comitê com informações consistentes, que demonstrem claramente a eficiência das medidas adotadas, assim como, a realização de novos investimentos.  


Importância da participação do Comitê BH-BPG
 
 

Evidentemente um projeto dessa natureza envolve toda a Bacia Hidrográfica e não teria sentido efetiva-lo sem a participação do Comitê, uma vez que é através dele que serão envolvidos todos os atores diretos e indiretos. Outra razão importante é o apoio financeiro do Ministério do Meio Ambiente, através da Agência Nacional de Águas, uma vez que o Fundo Estadual de Recursos Hídricos FEHIDRO, embora reconheça o mérito (anexo) do projeto, não dispõe de recursos financeiros.  Esse projeto está alinhado com as políticas públicas adotadas pelo Governo do Estado e Governo Federal implementadas pelos Comitês e pela Agência Nacional de Águas, os quais devem ter grande interesse nos resultados. Convém destacar que com esses resultados, outros projetos e programas de treinamento poderão ser elaborados com o intuito de transferir, para a comunidade envolvida, uma nova postura ambiental.   


Apoio/articulação
 
 

O IBT, como Instituição Privada, sem fins lucrativos, é a Instituição Gestora e Promotora do Agropolo de Barretos, apoiado pelo CNPq, Finep, Fapesp e pelo Governo do Estado de São Paulo, através das Secretarias Estaduais da Agricultura e Abastecimento, da Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico, do Emprego e Relações do Trabalho, do Meio Ambiente e de Energia e Recursos Hídricos, servindo de referência para a implantação de outros projetos semelhantes no País. Possui convênios com as seguintes Instituições: UNICAMP, USP, UNESP, UFU, UFSCar, UnB, University of California at Davis – USA, Drexel University – USA, University of Reading – UK, ACTIA – Association de Coordination Technique pour L’Industrie Agro-Alimentaire – França, EMBRAPA, CREA, SIRVARIG – Sindicato Rural do Vale do Rio Grande, SEESP- Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo, ABEAA – Associação Barretense de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, Escola Técnica Estadual Cel. Raphael Brandão, do Centro Paula Souza, da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico.    


Plataforma Tecnológica
 
 

O IBT é Gestor do Projeto Agropolo, projeto sustentável, uma vez que visa contribuir com a modernização do setor produtivo agropecuário e agroindustrial, gerando oportunidades, emprego e renda (Compromisso social), assim como conservar, preservar e recuperar o meio ambiente, tornando a região mais competitiva e com melhor qualidade de vida, fixando homem no campo oferecendo-lhe mais dignidade. Os programas e os sub-programas do Agropolo estão alinhados com o Projeto aqui proposto, o qual contribuirá, através dos Núcleos correspondentes, na realização de análises laboratoriais (Microbiologia e Físico – Química) e treinamento disponível na sua infra-estrutura física e tecnológica.  


Núcleo de Documentação e Informação
 
                                             
 

O Agropolo procura manter um Banco de Dados atualizado, com informações relacionadas à Legislação Ambiental, à Política Agrícola, ao Mercado Interno e ao Comércio Exterior e suas tendências, assim como um Banco de Dados para suprir com informações técnicas, o Serviço de Assistência Técnica e Extensão Rural. Presta serviço de informação Meteorológica e de Geoprocessamento através de fotos de satélite, para medição de áreas rurais com especificação de seu conteúdo. Administra o Provedor de Internet, Intranet e acesso privilegiado a Bancos de dados de Instituições parceiras, assim como Biblioteca Física e Virtual.  


Núcleo Ambiental
    
                                          
 

Como Núcleo responsável pela gestão ambiental do Agropolo oferece assessoria técnica, jurídica e acompanhamento técnico, sempre que houver exigência legal ou evidências técnicas que indiquem a necessidade dessas formas de monitoramento. A legislação ambiental e os princípios científicos de sustentabilidade dos ecossistemas são as bases que norteiam as ações do Núcleo. São mantidos em caráter permanente três módulos de atividades: 1- Informação, Cultura e Educação para o Ambiente; 2- Diversificação da Produção e Agricultura Familiar e 3- Certificação da Produção Agrícola e Florestal (Monitoramento, Certificação e Marketing Ambiental).  


Núcleo de Transferência de Tecnologia

 

A partir deste Núcleo os conhecimentos científicos e tecnológicos, disponíveis nos chamados centros de excelência e nas Instituições locais, são aplicados para suprir as necessidades do setor produtivo, buscando a racionalização, o aumento da produtividade e maior competitividade. São desenvolvidos programas que contemplam quatro frentes: 1- Diversificação Produtiva (Cadeias Produtivas e Agregação de Valores); 2- Acesso ao Mercado; 3- Desenvolvimento Tecnológico; 4- Capacitação (Qualificação e Requalificação de Profissionais) e Assistência Técnica. Nesse sentido será dada especial atenção à Biotecnologia, à Mecanização Agrícola e à Automação (Instrumentação e Informática). Profissionais e especialistas de Universidades ou mesmo autônomos, são contratados para atender temas específicos. 


Núcleo de Agronegócios

 

Realiza a divulgação e promoção de negócios que envolvam transferência de conhecimentos e de produtos que possam inserir o setor produtivo agropecuário no mercado nacional e internacional, com base em padrões globais de competitividade. Promoção de eventos, feiras, seminários, congressos, conferências, mostras tecnológicas e outros relacionados com as diversas organizações como Sindicatos, Associações, Federações, etc, que estejam diretamente ligados aos interesses do Agropolo. Promove o relacionamento entre os micros, pequenos e grandes empreendimentos agropecuários. Orienta na criação de Cooperativas e Associações visando catalisar a realização de negócios.  


Treinamento

 

Evidentemente para a implantação, consolidação e sucesso do projeto aqui apresentado, torna-se necessária a implantação de programas de treinamento que visem objetivamente, esclarecer, sensibilizar, transferir conhecimentos e preparar os empreendedores rurais (agropecuária e agroindústria) e a população em geral, para os desafios dos novos tempos. Nesse sentido os programas de treinamento já realizados, assim como aqueles em andamento, contribuirão significativamente com os objetivos do Projeto proposto, que depois de implantado, demonstrará uma nova demanda de treinamento que será adotada nos programas do IBT.  


Metodologia utilizada no projeto proposto
 

Para se alcançar os objetivos propostos utilizar-se-á de bases coletoras de dados, climáticos e parâmetros de qualidade da água, que serão processadas digitalmente através de um software especialmente desenvolvido para disponibilizar as informações de forma amigável pela internet.  


Localização das Bases
 
 

O projeto se constituirá de 20(vinte) bases, sendo 19(dezenove) coletoras remotas e 1(uma) receptora, com as seguintes características:  


BASES COLETORAS (1 a 19)
 
 

Localização em pontos estratégicos nas margens dos rios, a montante do reservatório da barragem de Marimbondo, pertencente à Bacia Hidrográfica Baixo Pardo/Grande e a jusante da foz do Rio Sapucaí/Grande. Os equipamentos de coleta e transmissão de dados serão instalados em propriedades às margens dos Rios, cujas coordenadas serão especificadas após a aprovação do projeto através de um GPS, sob a qual ficará a sua guarda, conforme acordo assinado entre o IBT e o proprietário do local ou seu representante legal.   


BASE RECEPTORA CENTRAL (1)
 

Localizada no IBT – Instituto Barretos de Tecnologia, Av. 13 nº. 60 Cep: 14.780-270 nas coordenadas: Altitude: 520 m, Latitude: 20º 34’00’’ e Longitude: 48º 34’00’’. Os equipamentos de recepção dos dados de leitura das medições feitas remotamente estão citados na figura 1.  


Gerenciamento de dados
 
 

Os dados coletados através das bases coletoras feitas por sensores especiais, para procederem às medições, passarão por um tratamento eletrônico de conversão analógico/digital que serão teletransmitidas via satélite para a Base Receptora Central, instalada no IBT, onde os sinais serão receptados por ambiente adequado. Nesse ambiente, serão instalados equipamentos, que se conectarão  com  o  sistema  computacional disponível no IBT. Esses sinais, codificados digitalmente e recebidos pela BASE RECEPTORA CENTRA (BRC), terão como endereço a memória rígida do servidor da rede interna do IBT e serão tratados através de softwares para criar o banco de dados e emissão de relatórios que estarão referidos aos parâmetros especificados por Centros de Pesquisa ou outro órgão indicado pela Secretaria de Recursos Hídricos, ANA ou MMA, estando disponíveis através da Internet no Site do IBT (www.ibt-barretos.org.br), democratizando-se assim as informações de forma rápida e confiável. Essa democratização estará promovendo o compromisso social, uma vez que Escolas, Faculdades, Centros de Pesquisa, Meios de Comunicação Social, Prefeituras, Órgãos Governamentais, Profissionais Liberais e outros interessados, terão acesso permanentemente e em tempo real.  


Outras Avaliações
 
 

Serão elaboradas visitas mensais nas estações de tratamento de esgoto de Prefeituras, de Agroindústrias e de propriedades rurais, com a intenção de coletar amostras para análises laboratoriais Físico-Químicas e Microbiológicas, assim como a orientação sobre a legislação em vigor, informando ao Comitê, através de gráficos e informações reais em relatórios trimestrais. Assim, o Comitê poderá tomar as medidas cabíveis no sentido de garantir o bom uso dos recursos disponibilizados pelo Fundo Estadual de Recursos Hídricos – FEHIDRO, principalmente no que se refere ao saneamento básico, conservação e preservação ambiental.  

voltar ao menu ou continue os itens abaixo